Frevo é tema de programa de rádio produzido pela Muzak

Lançado há 10 anos, o CD Frevo do Mundo ganha novo desdobramento com um programa de rádio homônimo, emitido semanalmente pela Frei Caneca FM. Resultado de parceria entre a Frei Caneca e o Estúdio Muzak, Frevo do Mundo, o programa, entrou no ar no último 26 de agosto e vai prosseguir até completar 52 programas de 60 minutos de duração cada um.

Frevo do Mundo vai ao ar sempre aos domingos, às 12h, com reprise no sábado seguinte, no mesmo horário. A cada edição, a atração recebe um artista da velha ou nova geração do frevo. Músicos com diferentes trajetórias, estilos e influências, mas que têm em comum a paixão pelo ritmo que há 111 anos incendeia o carnaval pernambucano.

Lista de convidados
No próximo domingo (9/9), o convidado é Ademir Araújo (o Maestro Formiga). Para os próximos, já foram gravadas as participações de Fábio Trummer (da banda Eddie), do flautista Henrique Albino e do compositor J. Michiles. Além desses, estão agendadas as entrevistas com Silvério Pessoa, maestro Spok e o acordeonista Beto Ortis.

A ideia é que cada convidado se apresente, fale sobre seu envolvimento com o frevo, suas referências no ritmo e quais músicas ao, para ele, mais marcantes e inspiradoras.  O músico participante também faz sua própria seleção musical, explicando as escolhas. No bloco final, o convidado está livre para apresentar a própria obra e mostrar como o frevo está inserido nela.

Um projeto de 10 anos
A semente do programa Frevo do Mundo é o álbum lançado em 2008, pelo Muzak, que reuniu nomes como Edu Lobo, Mundo Livre S.A, João Donato, Cordel do Fogo Encantado, 3 na Massa, Céu, Orquestra Imperial e Erasto Vasconcelos. Cada um foi convidado a interpretar um frevo, imprimindo marca própria e interagindo com orquestrações dos maestros Spok, Duda, Clóvis Pereira e Ademir Araújo.

“É um projeto de extremo valor sob o aspecto social, por trazer à tona todo o universo do frevo – não só no período do Carnaval – e usando artistas com maior penetração no público para celebrar a importância e riqueza desse ritmo tradicional pernambucano”, diz Marcelo Soares, diretor do estúdio do Muzak.

Resgate e divulgação
Disco e programa têm o mesmo objetivo: resgatar e divulgar frevos de todas as épocas, sob o olhar de quem os redescobriu, absorveu, reprocessou e perpetuou seus elementos em novas criações. Além, é claro, de aproximar o ritmo das novas gerações através de artistas que os representem.

“O maior diferencial deste projeto é a estrutura técnica da Muzak, aliada à capacidade de produção de sua equipe e à já reconhecida capacidade de gerar produtos criativos e originais”, acrescenta Marcelo Soares.